sábado, 5 de junho de 2010

Inquietações

Inicialmente me desculpem por ter deixado o blog tanto tempo parado. Eu realmente estou sem tempo de escrever, e quando sento no pc pra fazer algo eu geralmente estou tão cansado que não consigo produzir nada. Minha rotina de fato não tem sido fácil. Falando um pouco da minha vida particular, ontem eu fiz um exame muito complicado e constrangedor, em que fui duplamente sondado. Quem é homem, ou melhor, quem é ser humano nunca deseje isso pra si, nem pra ninguém. É uma dor inimaginável e esquisita, pois acredito que ninguém nunca imagina como é algo passando por um canal que só deveria sair, e sair líquido. Os resultados não foram nada animadores, mas não estou preocupado com isso, pois sei que em breve ficarei bem.

Falando sobre este post, ultimamente eu tenho me divertido muito na internet, mais especificamente no youtube vendo os vlogs do PC Siqueira e do Felipe Neto. O que me chamou atenção foi o quanto eu compartilho das idéias deles e o fato de me lembrar o quanto eu estou preocupado com esta geração. Eu sou professor e acompanho de perto o que a juventude pensa, e me entristece ver que o “estudar pra passar” predomina com muita força. Eles não estão nem aí pra que tipo de adultos vão ser, pra como eles vão enfrentar o tal do “mundo lá fora” ou em que mundo vão criar os seus filhos. Tudo bem, talvez eu esteja exagerando e meninos entre a quinta e a oitava série não devam ter ainda esse tipo de preocupação. Mas eles deveriam se preocupar ao menos em fazer algo que fosse realmente produtivo, e não em simplesmente uma nota que no fundo não significa muita coisa. E é triste ver o quanto eles fazem pra conseguir essa nota que não diz nada sobre ele. Táticas sujas como olhar a prova do colega ao lado, olhar o livro ou imprimir em um papel o assunto com uma fonte tamanho 12 é algo realmente deprimente. A única coisa que faz com que eles estudem, é o medo da reprovação. Medo este que só chega lá pelo final do ano, nas provas finais ou recuperações. O que normalmente ocorre é que os alunos mantêm este comportamento até o terceiro ano do ensino médio, e não conseguem aprovação em vestibular algum, pois ao longo da vida ao invés de estudar ele estava preocupado com terminar o ano beijando mais do que o colega ou vencer a turma adversária nos jogos escolares. Diversão também faz parte do processo e eu acho muito válido que eles aproveitem bem a fase em que vivem e não deixem nada pra posteridade, nem se divertir, e nem estudar.

Saindo um pouco do trabalho e dando um passeio pela rua, me vem uma imagem que me deixa muito triste também. Antigamente, a juventude era influenciada pelos seus ídolos. As pessoas queriam escrever como o cazuza, queriam cantar bem como a Maria Bethânia ou simplesmente serem bonitos como o Reynaldo Gianecchini. Podem considerar este último um desejo fútil, mas eu ainda acho melhor do que se inspirar em um marginal. É perturbador ver a criançada de hoje querendo se vestir como marginais. Será que eles é que são os astros da galera de hoje? Vejo-os utilizando bermudas de veludo da Cyclone, não por acharem bonito, e sim por ser um tipo de roupa comum entre marginais. Além de acessórios como correntes de prata, bonés com aba reta e vários outros. Não seria tão ruim se fosse só isso. Me deixa com vontade de chorar ver um menino de doze anos com as pontas dos dedos queimadas por causa do uso de crack, e me revolta saber que este que eu estou vendo é só um entre muitos. Tem coisa mais revoltante do que uma criança perdida nas drogas? E elas vêem isso como algo legal, algo da moda, algo bonito. E não são só garotos pobres da periferia que estão se afogando em drogas não. Muitos filhinhos de papai cheios de recursos e oportunidades na vida já estão igualmente perdidos nas drogas e na marginalidade. É literalmente foda.

E por falar em ídolos, me mata de... Eu nem sei se é de raiva ou de vergonha, mas eu fico até meio constrangido vendo quem são os ídolos dessa geração. Vou falar um pouco de música, que eu acho que deveria até ser o tema central do blog. É incrível como tanta merda faz sucesso. E são merdas de vários tipos diferentes, e eu analisei cada um deles. Primeiro é um tipo de música que faz muito sucesso com a garotada entre 10 e 13 anos que são as bandinhas de adolescentes. Normalmente são músicas que se diferenciam muito pouco uma das outras. O ritmo é geralmente o mesmo, os timbres são geralmente os mesmos e as letras geralmente falam sobre a mesma coisa: uma linda história de amor adolescente. No ápice da minha chatice, eu não consigo entender como é que eles conseguem ouvir músicas tão repetitivas com harmonias e letras tão pobres, mas aí vem o meu lado flexível e me diz que entre dez e treze anos dá pra gostar de qualquer coisa... O que é na verdade uma premissa que não me satisfaz muito, pois nessa idade eu já estava buscando músicas que tinham algo a mais. No meu aniversário de dez anos eu pedi pra minha mãe um cd “Bethânia Canta Caetano” que eu guardo com muito carinho até hoje, e não me acho excepcional ou mais inteligente que ninguém por isso, mas tudo bem, eu deixo passar.

Um segundo tipo de música que eu analisei, são as musiquinhas feitas por jovenzinhos revoltadinhos e que se acham os experientes, os vividos, os fodões da vida. Bem como as músicas do tipo anterior, estas também não tem tanta diferença entre si. É sempre a mesma ladainha, sempre a mesma batidinha e os mesmos timbrezinhos. Só que agora ao invés de falar sobre romances bobinhos e chatinhos, estas tratam... da vida. Só que o que eu vejo são rimas pobres, um aglomerado de frases sem o menor sentido ou com sentido insignificante. Frases do tipo “o impossível é uma questão de opinião” fazem com que um único pensamento venha à minha mente: “PULA DE UM PRÉDIO MISÉRIA, E VOA SE VOCÊ ACHA QUE PODE”. Ou então “entre o bem e o mal eu fico com a paz”. Essa é muito foda por que se você olhar o resto da letra, logo antes disso vem: “Se não se decidiu, então corra atrás”. Dá pra perceber bem que isso não passa de uma rima idiota. As palavras foram colocadas dessa maneira somente para rimar, e não por que fazem algum sentido ou querem dizer alguma coisa. Qualquer um que conheça bem a vida sabe que já é um luxo a vida lhe dar duas opções, por que geralmente é uma só mesmo. Daí o maluco tem duas e ainda quer correr pra uma terceira. É muito escroto mesmo, quem ele pensa que é? Além de tudo o que eu já citei aqui, tem mais duas coisas nesse tipo de música que me irritam muito. A primeira delas é a forma como essas músicas são cantadas. É tão falso que a única coisa que eu me pergunto é “por quê?” Por que cantar com uma entonação de roqueiro, como se estivesse cantando Iron Maiden ou Ozzy Osbourne, quando tudo o que você está cantando é uma musiquinha bem bobinha? Essa falsa “pegada” de rock me incomoda muito. E um outro fato muito irritante, é que quem curte esse tipo de música geralmente abomina o pagode. Abomina ao ponto de chamar o pessoal que curte pagode de burro e acéfalo, que eles não querem nada com a vida e vão se ferrar lá na frente por que não querem pensar e ouvir boas músicas agora. Quem eles pensam que são pra criticar o pagode? Se analisarmos as letras dos dois estilos, não tem nada de tão diferente entre elas, só que o pagode rima para que as músicas se tornem de fácil assimilação, e esse tipo de rock faz rimas tão pobres quanto as do pagode, só que tentando dar uma de filósofo, de inteligente, de manjador da vida... e não são. Pra esse tipo de música eu acredito que entre uns treze e quinze anos dá pra curtir numa boa, desde que você prontamente descubra que não é bem por aí e parta pra outras coisas.

E por último mas não menos irritante (na verdade é a mais irritante pra mim) são as músicas pseudo-intelectuais. Músicas com letras completamente ininteligíveis e que atinge ouvintes preguiçosos e que gostam de pagar de fodões. Preguiçosos por que eles não se dão ao trabalho de tentar entender a música, mesmo por que se eles fizerem isso eu tenho certeza que não vão conseguir. E parecem que tem algum tipo de orgulho em dizer “olha como é foda a letra desta música” ou “veja como eu sou inteligente e escuto músicas que tem uma letra extremamente complexa”. Se quer algo complexo, vá tentar resolver a hipótese de Riemman ou fazer algo realmente útil, por que de complexo tais músicas só tem a letra. Acho que é até muito simples procurar no dicionário umas palavras mais complicadas e agrupa-las de um jeito que o texto fique muito bonito, com muita estética e sintaxe, porém com muito pouco ou quase nada de semântica. Pra falar algo bonito, ou algo que tenha um significado, palavras complicadas não são necessárias. Eu ia citar aqui uma frase de um amigo meu que disse “Chico Buarque fez uma música com um significado extremamente profundo, uma música linda usando palavras como ‘meu guri’”, porém acho que nem vale fazer qualquer tipo de comparação com Chico Buarque, muito menos com esses “intelectualóides”. Outro dia eu ri muito ouvindo uma dessas bandas aí que tinha uma proposta experimental. Então os caras começavam tocando uma música com o rock bem pesado, no meio da música mudavam pra um ritmo mais lento, daí a música virava um pagode e fechava com uma marchinha de carnaval. Como bem diria o mesmo amigo meu da citação acima, um verdadeiro samba do crioulo doido. É sério que eles acham que estão fazendo “o som” tocando dessa forma? Será mesmo que se acham os músicos fodões com os arranjos extraordinários? Se isso fosse um experimento feito em laboratório, os resultados seriam considerados desastrosos, com discrepância acima dos 50% (boas medidas tem no máximo 5% de discrepância) e seria um erro injustificável. Música tem que transmitir um sentimento pra quem escuta, e se você troca de ritmo o tempo todo, a sua música não transmite nada, o seu som não significa nada. Como eu disse anteriormente, pra quem tem preguiça de pensar é até muito prático curtir essas músicas e fazer comentários do tipo “olha como eles tocam bem, tem que ser muito bom pra fazer essas variações de ritmo, olha como eles são fodas”. Resumindo, bandas que se acham as tais, com letras que parecem fodas mas não são, arranjos que parecem rebuscados mas não são e fãs que se acham igualmente fodas e inteligentes, mas não são. É uma falsidade sem fim e que me deixa tão irritado, mas tão irritado que eu não recomendo esse tipo de música pra ninguém, nenhuma faixa etária mesmo. Prefiro crer que cedo ou tarde os fãs vão perceber que o que eles estão ouvindo não é lá essas “coca-cola toda” e vão procurar algo que realmente seja legal, que tenha uma letra com uma mensagem bacana e um som gostoso de se ouvir, e também acredito que as bandas um dia passarão a fazer um trabalho mais interessante, até lá eu fico no aguardo.

Além desses três tipos de música, ainda tem uma gama de músicas ruins como pagode, arrocha, axé music, funk dentre outros, porém essas músicas não costumam me agredir, e eu até consigo curtir de vez em quando dependendo da ocasião. O propósito destas músicas fica bem claro logo que você começa a escutar. Se você liga o rádio e escuta algo do tipo “esfrega a xana no asfalto” quer dizer que você deve estar em uma praia, próximo a um carro com um som bombando, tomando cerveja e se acabando de dançar. Não há falsidade aí, em momento algum o autor da música quis dizer algo diferente disso, quis tentar ser inteligente em suas colocações ou qualquer outra coisa do tipo. Tudo bem se você não gosta de dançar, mas não vejo problema algum em curtir essas músicas com uns amigos e se divertir bastante, até por que eu faço isso com uma freqüência menor do que gostaria, mas eventualmente acontece, e eu adoro. É obvio que você não vai colocar um cd de Black Style no som da sua casa, parar tudo o que estiver fazendo para escutar o som sentado em sua poltrona e refletir sobre o que os caras estão falando. Claro que você não vai fazer isso por que como eu falei, o propósito desse tipo de música é muito bem definido. Sendo algo tão verdadeiro, mesmo não tendo lá tanta qualidade musical ou tanta complexidade melódica ou harmônica, é algo que sinceramente não me incomoda. Seria muito bom se fosse apenas isso, porém é horrível quando algumas pessoas tomam esses estilos musicais como os únicos presentes em sua vida. Uma pessoa que só escuta funk, axé e pagode só pode estar muito desligado do mundo ao seu redor. Se o objetivo dessas músicas é dançar e curtir, que essas pessoas acordem logo e descubram que a vida não é só diversão, e ninguém vai sustentar filho dançando rebolation, a não ser que você seja o próprio Léo Santana, mas duvido que ele leia o meu blog.

Bom, neste exato momento eu devo estar sendo jurado de morte. Frases do tipo “filho da puta, como que você defende essas merdas como pagode e fala mal de músicas tão inteligentes e rebuscadas?” devem surgir a todo momento e muitos de vocês devem querer a minha cabeça. Mentira, o blog tem poucos leitores então não devem ser muitos os que querem a minha morte, mas efim, é o que eu acho mesmo. Eu prefiro ouvir Silvanno Salles do que ouvir musiquinhas sobre paixões adolescentes, ou um garotinho que se acha o foda mas que não canta nada e tem um cabelo de twist, ou ainda uma música que eu não consiga entender, justamente por não ter significado algum. Eu sou frequentemente chamado de chato por não gostar das músicas citadas acima, e eu estou começando a achar que é bom ser chato. É bom escolher as músicas que eu vou ouvir por mim mesmo, ainda que ninguém as conheça, ou que ela seja a música mais popular do mundo, eu escuto por que eu quero. Independente da música ser o sucesso do momento ou ser uma música que ninguém conheça, eu escolho as minhas músicas pelo meu próprio filtro. Quem já me achava um velho nessa questão de gosto musical, deve estar achando agora que eu tenho um pé na cova de tanta idade, e que além de velho eu estou esclerosado, porém insisto que é muito bom ser assim e estou começando a conviver bem com isso.

Eu nem vou usar este post pra falar dos meus gostos literários, os animes que gosto e as porcarias que são endeusadas por aí, dos mangas ou dos filmes que eu gosto, por que acho que já esgotei toda a minha chatice falando sobre música, e também creio que já foi suficiente pra passar a mensagem que eu queria, então por hoje antes de encerrar eu gostaria de dizer algumas coisas:

1 - Eu sei que eu só fiz falar mal de tudo como se o mundo inteiro fosse uma merda e não tivesse nada que preste, mas não é por aí. Existem muitas coisas boas pra serem escutadas, e não são só coisas velhas. Tem muita gente boa aí surgindo, porém eu acho que nesse post não cabe mais, fica pra uma próxima vez.

2 - Estou muito contente por ter encontrado mais um companheiro pra o blog, e breve ele estará atualizando aqui, e é provável que ele atualize mais do que eu. Espero que gostem dele.

3 - Apesar de parecer um velho, chato e rabugento, e passar por algumas dificuldades principalmente no que diz respeito a saúde, eu sou uma pessoa muito bem resolvida, que sei muito bem o que quero, e principalmente muito feliz. Eu tenho um anjo que sempre aparece nos momentos mais difíceis e me ajuda a superar as dificuldades, então não tem como a situação estar ruim pra mim. Não se preocupem, os chatos também amam.

4 - A minha busca por um grupo fechado pra o blog não cessa, mas ela está evoluindo, portanto aguardem mais que coisas boas virão.

5 - Cometários fazem bem, e eu gosto


6 - Que fique claro que eu não me acho o detentor da verdade absoluta, o que o meu gosto musical seja o supremo e inquestionável. Muito longe disso, eu até gosto que discordem de mim pra gerar uma boa discussão, só pesso que não levem pra o lado pessoal e me respeitem, como eu respeito todos vocês.


7 - Baseball é um barato e Hockey no gelo também


8 - NBA está terminando e meus Nuggets passaram longe da decisão esse ano, então eu prefiro que os Lakers não vençam


9 - Vou torcer muito pra o Vitória ser campeão da copa do brasil, e pretendo apoiar meu leão de perto nos dois jogos


10 - Eu amo vocês.

13 comentários:

  1. OO TEXTOO MAISS ESPERADOO POR MIM hahahahaha..!

    \o/
    Bom, não tenhu o que comentar,
    vocêe jáa disse tudoo e eu concordo plenamente,
    esses "modinhas" aii não tem nada de interessante na letra, nem no modo que eles se apresentem como OS FODOES u.ú,
    e acredite duvido alguem vim aquii reclamar
    a favor deles acredito que muita gente que perde tempo ouvindo essas coisas não vão ter paciencia para ler esse "LIVRO" que vc fez kkkkkkkkk!


    Ravena Melo

    ResponderExcluir
  2. Vc está muito fatalista meu jovem! rsrs
    Saudades dos tempos citados em que passávamos por todas essas gerações musicais e consolidamos a nossa hein biel? rsrsrs.
    De fato ficar velho as vezes é engraçado, enquanto a gente olha a juventude "bola da vez" e diz "nossa no meu tempo não era assim! Onde vamos parar?" rsrs

    ResponderExcluir
  3. Huhuhu boa

    Mas eu sou parte daquela galerinha do mal q soh curte metal e rock... Enton se vc é chato, imagine eu x)... tah, curto tb alguns hip-hop e ALGUNS POUCOS rap e pop.. mas tudo isso gringo, músicas em inglês.. das brasileiras, soh gosto dos "dinossauros" mais clássicos (e mesmo assim escuto muito pouco)

    Parece "anti-patriótico" dizer isso, mas oq mais vejo decair são as músicas nacionais.. não vejo tanto desse aumento dos dramalhões adolescentes e pseudo-intelectualidade lah fora.. sei lah, posso estar errado

    Mas o mais triste é nós termos q dizer "antigamente não era assim"... Antigamente? Véi, estamos nos vinte e poucos anos xD... Quero dizer, considerando q nossa opinião musical realmente válida soh surge por volta da pré-adolescência ou até mais tarde, podemos ver o estrago q uma soh década pode causar! x]

    ResponderExcluir
  4. Hahah, realmente voce descreveu perfeitamente essas bandas com letras sem sentido tentando falar sobre a vida xDDD.

    Mas eu acho que curto um pouco coisas pseudo intelectualoides, como as lesbicas da mpb xDD
    [mas pelo menos elas tem uma base melhor e ate fazem covers da epoca boa ^^]

    ResponderExcluir
  5. Obs: na verdade uma das partes que vc citou é de uma banda que eu gostoo entãoo discordoo de alguns detalhes,HAHAHAHAH..!

    ResponderExcluir
  6. falou tudo, gabi, principalmente na parte do "preconceito" q o pagode [e naum soh ele] sofre por parte dos "pseudo-intelectuais" da musica, eh o tipo de coisa q torra o saco

    e, eu jah perdi minhas esperanças na proxima geração, o povo vai ficando mais tosco [leia-se, viciado em tentar viver de festa] a cada dia, por ter amigos q pensam assim...

    ps: porra, ce me lembrou do seu exame, maluco, esse troço eh tenso...

    ResponderExcluir
  7. As vezes me sinto velho e chato também, quantas vezes para pra pensar em como até o que é porcaria evolui, mas evoluir não é necessariamente algo bom, acho que você entendeu... XD ficou ainda pior :~~ é uma porcaria disfarçada, e faz cada vez mais sucesso.

    nba terminando e o lebron indo embora :(

    ResponderExcluir
  8. "..eu escuto por que eu quero. Independente da música ser o sucesso do momento ou ser uma música que ninguém conheça, eu escolho as minhas músicas pelo meu próprio filtro."

    concordo com oq voc disse, então acho que poderia não citar dessa maneira algumas letras, pois como dizem, gosto não se discute né!? então deixa cada um gostar do que quer mesmo, e depois veremos se o gosto está certo, ou não. Algumas frases podem não valer em nada pra quem não gosta, mas vale derrepente pra outros.. Não é querendo discordar, mas como vc de alguma maneira tentou defender seu gosto musical, tem gente tentando defender outro gosto também ! ;)

    Parabeéns pelo blog, aah.. eu também amo você xD

    ResponderExcluir
  9. Dá para dividir o texto em blocos, acho...

    Sobre os problemas pessoas, não me cabe opinar, apenas desejar melhoras (coisa que já fiz no msn).

    Agora sobre as partes de opinião:

    O primeiro bloco que critica a geração atual, limitado ao ambiente escolar, eu concordo em partes. Mas uma coisa eu aprendi (e isso vou dizer depois nos outros blocos): Nenhum problema social pode ser encarado com uma só vertente. Nada que é criado pelo homem tem similaridade com a "simplicitude", muito menos quando se trata de sociedade. Problemas complexos exigem soluções complexas - estas por sua vez exigem reflexões complexas. E tudo isso me leva a uma palavra chave: Dialética. "Tudo possui em si o germe de sua própria contestação". "A soma da TESE mais a contestação da ANTITESE gerará uma SÍNTESE que por sua vez se tornará nova TESE e continuará o ciclo..." (resumindo o que é dialética).

    Se eu devo concordar com o aspecto negativo da "cola", dos subterfúgios e concordar veementemente com a mentalidade limitada do "passar de ano apenas". Também tenho que discordar na medida que a crítica não abordou o lado de uma escola ineficiente (e aqui não faço distinção da escola publica e privada), a escola burguesa. Que inserida num modelo de sociedade mais TREINA do que promova a libertação dos sujeitos, a promoção do senso crítico etc etc.

    Já vi e já fiz ais tais "táticas sujas". Sem purismos. Fiz e faria de novo. E ainda farei na faculdade, tenho certeza (pois a academia entra pelo mesmo fosso da escola). Uma atitude subversiva que muitas vezes me ensinou MAIS do que aquele amontoado de receitas de bolo e métodos pré-fabricados na forma da "pedagogia perfeita", do "sucesso no vestibular" e que pior, estavam erradas cientificamente também (o maior exemplo disso é o ensino de Química no ensino médio).

    No segundo bloco da rua, concordei com tudo, é realmente "foda".

    No terceiro bloco, da idolatria, bloco esse que vai se desdobrando na parte da música, eu poderia resumir bem num trecho em que você coloca: "Sendo algo tão verdadeiro, mesmo não tendo lá tanta qualidade musical ou tanta complexidade melódica ou harmônica, é algo que sinceramente não me incomoda. Seria muito bom se fosse apenas isso, porém é horrível quando algumas pessoas tomam esses estilos musicais como os únicos presentes em sua vida". Esse trecho aí é um resuminho do pensamento inteiro. O problema é a falta de POSSIBILIDADE de escolher, da falta de CAPACIDADE para escolher e da falta de RESPONSABILIDADE com a escolha feita (e no estudo da Liberdade (seja pela filosofia, sociologia ou psicologia) eu aprendi que essas três palavras comumente se tornam sinônimos de pilares da construção da Liberdade. Basta a falta de 1 delas e desmorona tudo).

    PS: Comentários realmente fazem bem e todos gostam. xD

    Abraço,
    André.

    ResponderExcluir
  10. Eu sou do tipo que sempre estudou pra passar, sempre me atentei a aprender apenas o que me interessava, apenas o que fosse prazeroso aprender. De resto, sempre fiz na maior obrigação e, talvez por não ser educadora, não acho que fiz mal XD O ensino da maioria dos países é defasado, não ensinam aquilo que interessa para a vida profissional. E não falo de áreas de carreira (médico vai estudar biologia; jornalista, português; essas coisas), falo que a gente pode sair até do Superior com uma puta duma bagagem acadêmica e sem noção nenhuma do que é realmente exigido e cobrado no mercado de trabalho. Falo de postura, de mostrar serviço, de saber o que esperam de você em um concurso ou em uma entrevista. Isso nem o superior ensina, você tem de correr atrás e aprender por conta própria. Conhecimento acadêmico, às vezes, é tão dispensável, que muitos só optam por continuar estudando, fazendo pós, se for exigido ou se for seguir carreira acadêmica XD Acho que o interesse pelos conhecimentos que são fundamentalmente importantes tem de partir de cada um, como saber usar sua língua, saber operar com a matemática que o dia a dia vai exigir, entender alguns processos à sua volta para saber como proceder em algumas situações, essas coisas, e não partir da imposição duma escola (que, eu sei, tem seu porquê e seu papel MUITO importante, mas não dá para esperar as mesmas coisas de todos os alunos e considerar o escape disso algo lamentável). Se o ensino oferecido pela escola é incompleto, e vou ter de aprender boa parte sozinha também, não vejo porque fiz tão errado em estudar apenas para passar XD Eu certamente não preciso de muitos dos conhecimentos que não adquiri assim, fora não fazer feio numa conversa. Claro que cada caso é um caso, mas estou dando só um exemplo de que um aluno não tão preocupado com o atual aprendizado, que cola (putz, como colei nessa vida!), etc, não necessariamente será um adulto desonesto, despreparado ou incapacitado.
    Com a parte da música XD, concordo com muita coisa, discordo de alguns pontos, mas coisa besta^^

    ResponderExcluir
  11. Eu gosto de músicas q agrade meus ouvidos, acho q por isso amo trance, sem letras, só batida! AUSHuhasuhASUHuhas

    mas essa geração RESTART tem q ser queimada na fogueira msm u.u! não aguento mais essa galera colorida e uma juventude enviadada. Não é preconceito, opção sexual é uma coisa, mas borboletice demais é outra e enjôa!

    E cuidado amor, vc tá ficando exigente DEMAIS com o mundo. Não qro q se decepcione pq daki pra frente isso só vai piorar... xD

    SAudades do REnato Russo....e se falar mal de legião, morre!

    E foi pessoal sim senhor, me atingiu profundamente! éssi dois éssi dois ahá!

    DICA: divida seus posts amor, estão muito grande, dá um certo "cansaço", apesar da leitura ser estimulante!

    P.S: TE amo...e amo o anjo q te acompanha! xD

    ResponderExcluir
  12. O "postador" tem direito a tréplica? xD

    Enfim, eu não sei se fui claro, mas eu não tenho esperado NADA do mundo, e não me decepcionarei se o nível cair ainda mais, pois a tendencia é essa. Minha exigencia é comigo mesmo, pois sei que posso sempre buscar o melhor. Quem quiser assim como eu correr atrás também, é sempre bem vindo, este tem sido o papel social do blog uhuHUSHAushaUSHAushUShushUSH

    E quanto a dividir, eu acho uma boa, mas não sei se funcionaria pra mim, eu saio escrevendo tudo de uma vez mesmo e não sei se conseguiria quebrar o texto. E se a leitura é estimulante, então eu to bem xD


    Eu também te amo s2

    ResponderExcluir
  13. Ser chato é mto bom. Acredite!

    ResponderExcluir